segunda-feira, 25 de abril de 2011

Tombo Pascal!

Não existe nada mais desagradável do que se empolgar com um feriado de quatro dias e na véspera se ver enfaixada até a goela!
Vamos voltar a alguns dias atrás. Estava eu tranqüilamente trabalhando em minha sala quando surge "do nada" duas pessoas que se enfiaram de baixo de minha mesa manuseando os fios do meu computador, saindo em seguida munidos de minhas caixinhas de som. Na verdade não tenho o hábito de achar que o computador com o qual eu trabalho seja meu, pelo contrário, tenho muito claro que se trata de material da prefeitura e do qual eu faço uso para meus afazeres de servidora pública sem os quais, minhas tarefas diárias se tornariam inviáveis. Mas daí a ver as caixinhas serem abruptamente surrupiadas na cara dura também é demais! De qualquer modo achei melhor não reclamar, pois sabia que se tratava de um empréstimo. Na verdade eu supus que se tratasse de um empréstimo, pois havia uma reunião na sala ao lado e necessitavam das caixinhas para uma apresentação de power point. Também levei em conta que sou uma pessoa deveras distraída e que provavelmente não percebi quando falaram que necessitavam das caixinhas estando consciente apenas no momento em que o empréstimo forçado se concretizava.
Realmente havia sido um empréstimo e as caixinhas me foram entregues logo após o término da reunião, mas ninguém fez a gentileza de arrumarem a fiação embaixo de minha mesa que estava totalmente solta e eu não me atreveria a fazer isso por dois motivos:
  1. Morro de medo de ser eletrocutada
  2. Minha artrite limita meus movimentos e ter que me abaixar, me encolher, dobrar, contorcer está fora de cogitação.
Diante disso, resolvi deixar os fios de lado e voltar a minha rotina administrativa, afinal a semana seria curta e isso me motivou bastante a ficar mais dócil!
Exatamente na quarta feira eu estava numa felicidade ímpar, afinal teria 4 dias de folga e também porque poderia ir embora mais cedo do que normalmente eu saio.
Como a SGAA - Supervisão Geral de Assuntos Administrativos iria aproveitar o feriado para dedetizar o prédio, eu teria o desafio de guardar todos os apetrechos que ficam sob as mesas evitando contágio com o material da dedetização e era exatamente isso que eu estava fazendo quando tudo aconteceu.
Eu estava pra lá e pra cá arrumando tudo, solicitando motoboy para serviços extras, guardando e trancando as coisas do chefe, arrumando o armário das guloseimas, guardando meus apetrechos e tudo ao som de "Deixa a vida me levar... vida leva eu!!!" que eu cantava alegremente (e a vida me levou mesmo!).
E vira pra cá, vira pra lá, salta aqui, salta acolá, corre aqui, corre acolá cantando feliz da vida por QUATRO LONGOS DIAS EM CASA DE PERNAS PRO AR (nunca pensei que fosse literalmente).
De repente eu me viro para guardar algo que já nem lembro mais o que era quando sinto que só minha alma foi, o corpo não! Aliás, a alma foi pra um lado e o corpo para o outro. Consigo reviver a cena em câmera lenta. Primeiro percebi o impulso indesejado. Em seguida algo que tinha em mãos voou sobre a mesa de reunião que fica atrás de mim. Instinto: "Fudeu!". Só pude vislumbrar o chão aproximando-se de meu rosto... Tive, nesse ínterim, alguns pensamentos do tipo "onde me segurar?", "Consigo ou não?", "Cadê a Guarda Civil Metropolitana?" e o chão cada vez mais perto. Em algum momento lembro de ter proferido alguns impropérios que prefiro deixar ocultos... Então percebi definitivamente o peso do meu corpo! E foi todinho pra cima do meu joelho direito. Do jeito que o corpo caiu, ficou! Nesse instante eu só pensava "AI COMO DÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII". Acho que fiquei uns dois minutos nesse estado catatônico, caída, inerte, lamentando o dia em que nasci.
O que me fez voltar a realidade foi o telefone que começou a tocar e o qual eu inutilmente tentava atender. Tentei atendê-lo pela mesa de reunião que fica logo atrás da minha, mas não conseguia levantar. Fui me arrastando (e xingando) até minha mesa ver se conseguia me apoiar na cadeira para pegar o telefone, quando me dei conta que a cadeira é de rodinhas o que me fez ficar deslizando pra lá e pra cá com o maldito telefone tocando SEM PARARRRR! Finalmente puxei a merda do aparelho pelo fio e consegui atender o endemoniado. Do outro lado uma vozinha perguntando "Nossa! Você está ofegante! Veio correndo?" @#$@%#.... óbvio que não pude dizer "Não, é que eu me estatelei nesta merda desta sala e não conseguia atender a porra do telefone porque esta cadeira de bosta tem rodinhas!!!"... (Desculpe, mas não pude deixar de publicar os impropérios) Então eu educadamente espondi que Sim! Que eu havia corrido para atender o telefone!
Terminada a ligação e anotando um recado que nem lembro mais qual era ou aonde eu o enfiei (sem sugestões, por favor!), resolvi ligar na recepção do meu andar e pedir para ser socorrida pela Luciana que veio correndo, tadinha! Aliás, fico me perguntando como ela conseguiu levantar quase 100 quilos de banha amassada do chão daquela sala! A essa altura eu já chorava feito um bebê, pois achei que tivesse quebrado o pé esquerdo recém operado em janeiro, lembram? Ao mesmo tempo, chorava de dor do joelho direito. Liguei para a Ro (trabalha comigo) e ela desceu os andares (do 10° ao 5°) feito um raio chegando lá mais branca do que eu!
Começa, então, a operação gelo!´
Entra em ação a copa dos garçons e lá vem o bom e querido Rubens trazendo
um pano repleto de cubos de gelo. Percebi de cara sua risadinha embutida atrás de um semblante pseudo-preocupado, mas até que eu mesma já estava rindo da situação.
O tornolezo parecia um melão, o joelho uma melância, juntando com a jaca que é da dona deles estava uma perfeita salada de frutas.
Óbvio que o causador de tudo foi o cabo de rede que havia sido retirado de sua clausura por "certas pessoas surrupiadoras de caixinhas de som" e deixado a "Deus dará" para que um pé desavisado o encontrasse nas mais dolorosas das circunstâncias.
Passei minha páscoa "manquitolando" de um lado para outro. Ganhei 5 dias de licença e voltei hoje no médico para ter a carta de alforria. Agora, vejam o desastre:
Ninguém merece!!!

10 comentários:

✿ chica disse...

Puxa, ninguém mereeeeeeece mesmo.Pena! Que fiques boa logo! beijos,chica

Anônimo disse...

Fala sério Dona MI! Eu tenho um gênio bem diferente, dai que ninguém mexia nas minhas coisas sem a devida autorização (minha!!! hahaha), mesmo sabendo que tudo da Prefa é emprestado...rsrs
Sei bem como doem esses tombos, pois coleciono alguns. A Lu sempre perto pra socorrer...maravilha!!
Se cuida, meu bem!!!!!!
bjks mil!!!
Céci Lisbôa

Lenne disse...

Ai, amiga, quando soube fiquei super preocupada com a sua cirurgia ,mais não pude deixar de rir, rsrtsrsrsrs, como você consegue?????
Se cuida e estamos preparando um cubo blindando para colocar em você tá rsrsrs, idéia da Beth
Beijos e se cuida.

Lenne!!!

Simone Audrei disse...

Olá Miriam,Recebi um MEME e indiquei o teu blog para participar, entre os blogs que gostei de visitar. Espero que não se importe. As regras estão na postagem do meu blog:...

Dona Rata

Simone Audrei disse...

Oiêê! Não pude deixar de lembrar, lendo seu post e vendo as fotos do seu joelho, de uma véspera de feriadão a muuuuito tempo atrás, em que meu filho pulou do encosto do sofá, e eu corri para socorrê-lo, levei uma cabeçada na boca tão forte, que inchou imediatamente. Parecia a Angelina Jolie depois de ter levado um soco do Mike Tyson. Passei o feriado escondida de tão horrível que fiquei. Ôh! vida de m...
Beijuuuu.

Myriam disse...

Ai Mi, desculpa, mas nossa..que coisa engraçada, claro que agora a gente ri né? rsrsrsrsrsrsrrsrsrsrs Miriam do Céu, tua narrativa merece ser registrada..rsrs parece o Veríssimo! melhoras viu amiga? Bjs

Carla Farinazzi disse...

Oi Miriam!

Concordo com a sua xará com "y"! Uma narrativa digna de um Veríssimo, muito boa! Pena que verídica, né? Nossa, que tombo feio!Olha, eu sou expert em quedas, o pessoal que me conhece já sabe, não passa 15 dias sem eu levar um tombão daqueles. Nem sei mais o que fazer. Já até acostumei, infelizmente.
Mas, fala sério, como tem gente desleixada, né? Se pegaram tuas caixas de som, deveriam devolver do jeito que estava instalado. Nossa, eu não tenho paciência pra essas coisas mal feitas, te juro. Dá uma raiva!
Ainda bem que você já está legal. Mas que susto! E que dor!

Beijos

Carla

Paula Li disse...

Oi Miriam, coitadinha de você!!!
Espero que já esteja melhor e possa aproveitar o próximo feriado, que nem sei quando é.
Felizmente não precisou ficar hospitalizada.
Melhoras, bjs

eva mooer disse...

OI miriam.também estou participando do concurso dos contos,e estou fazendo um tour pelos concorrentes para conhecer o pessoal....que gostoso conhecer pessoas que gostam de escrever e que tenham algo de bom para dar.Fico feliz de passar por aqui e saber um pouco mais de vc....um abraço e até mais

Iram M. disse...

Nossa, coitada de vc, amiga.
Nao ri da sua queda, mas da sua narrativa. Muito boa!
Te cuida!

Beijos, querida